SERTAO LIVRE

Na Bahia, pesquisadores encontram óleo dentro de peixes e mariscos.

eeb20410 f6b8 11e9 aefb cabc4a9e7b48 - Na Bahia, pesquisadores encontram óleo dentro de peixes e mariscos.


O impacto do óleo nas praias nordestinas já começa a ser sentido. Nesta quarta-feira (24), pesquisadores da Universidade Federal da Bahia (UFBA) encontraram a presença do óleo em aparelhos digestivos e respiratórios de peixes e mariscos recolhidos em locais atingidos pela substância. As informações são do portal G1.

Francisco Kelmo, professor e pesquisador da instituição, está à frente do estudo e conta que 38 animais foram recolhidos no último final de semana para a pesquisa. Segundo ele, todos os animais apresentarem óleo no corpo. Outros 12 ainda estão sendo analisado

“A gente recomenda à população que evite o consumo de peixes e mariscos vindos, especialmente, das praias que sofreram o impacto pelo óleo. Siri, caranguejo, camarão, polvo, mexilhões, ostras, todos esses animais analisados aqui no instituto e nós detectamos a presença de óleo no interior do corpo desses animais. Nós encontramos peixes também, peixes que continham resíduos de óleo no seu sistema respiratório”, disse Kelmo ao G1.

O professor ainda relata alguns possíveis sintomas de quem tiver contato com animais supostamente contaminados. “Dependendo da sensibilidade, a pessoa pode ter desde uma pequena reação alérgica, quando em contato direto com a pele, e, no caso de inalação dos vapores, ela pode ter tosse, rouquidão, enjoos e, até mesmo problemas respiratórios, dificuldade para respirar”.
Naturalmente, se alimentar desses animais pode ser ainda mais perigoso. “No caso de ingestão, todos aqueles sintomas da infecção alimentar. Entretanto, como esses compostos são hidrocarbonetos e tem também metal pesado, nós estamos falando de um óleo cru, isso pode trazer consequências a longo prazo, porque esse material vai ficar armazenado dentro do corpo da pessoa que consumir”.
De acordo com Kelmo, os resultados da pesquisa, que é feita com ajuda de alunos de pós-graduação, serão encaminhados para o Ibama. “Vamos encaminhar, a partir de amanhã ou depois, os resultados ao Ibama. O que a gente conseguiu constatar já dá uma noção do que está acontecendo, dessa situação de estresse agudo”, analisou.

Related Articles

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: