Lázaro morre após ser baleado durante troca de tiros com a polícia em Goiás.

Policiais colocam Lázaro Barbosa em viatura do Corpo de Bombeiros | Foto: Henrique Ramos/TV Anhanguera

Após 20 dias de uma megaoperação, com mais de 270 policiais, Lázaro Barbosa, de 32 anos, morreu após ser baleado nesta segunda-feira (28), em Goiás.

As informações sobre prisão e morte foram divulgadas pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado.

“Acabo de receber neste momento uma informação de todas as equipes que estão na região de Cocalzinho que o Lázaro foi preso”, disse o governador Ronaldo Caiado.

“Como eu disse, era questão de tempo até que a nossa polícia, a mais preparada do País, capturasse o assassino Lázaro Barbosa. Parabéns para as nossas forças de segurança. Vocês são motivo de muito orgulho para a nossa gente! Goiás não é Disneylândia de bandido”, completou o governador.

Condenado por assassinatos e estupros, o fugitivo da Justiça era procurado por uma série de crimes na Bahia e em Goiás. Ele também é acusado da morte de quatro pessoas de uma família em Ceilândia, no Distrito Federal, e de um caseiro de uma fazenda no distrito de Girassol, em Goiás.

As buscas começaram no dia 9 de junho, após o crime no DF. Na fuga, Lázaro roubou um carro e foi para a cidade de Cocalzinho de Goiás, a 80 km de distância. Desde então, foi perseguido pela força-tarefa policial pelas matas da região.

Drones, helicópteros, rádios comunicadores e até um caminhão com uma plataforma de observação elevada de videomonitoramento ajudaram nas operações. Cães farejadores também atuaram na caçada a Lázaro.

Durante a perseguição, ele invadiu ao menos 11 fazendas, trocou tiros e baleou moradores, dois policiais militares e um oficial da Força Aérea Brasileira (FAB), segundo informações da força-tarefa.

Ele também fez uma família refém em uma das fazendas – o casal e uma adolescente de 16 anos. Durante o sequestro, o criminoso exigiu que todos andassem em um córrego para não deixar rastros.

Durante as buscas, os policiais encontraram ainda um carro queimado e alguns objetos, como um lençol usado e um serrote. Todos os itens seguiram para a perícia.

Há 14 anos Lázaro acumulava passagens policiais, crimes e fugas de presídios, a começar pela cidade em que nasceu na Bahia, Barra do Mendes, onde é acusado de um duplo homicídio em 2007.

À época, segundo a Polícia Civil baiana, Lázaro ficou nove dias escondido numa mata e decidiu se entregar porque estava ferido. Ele fugiu dez dias depois.

Em 2011, Lázaro foi preso e condenado por roubo e estupro no DF. O crime foi cometido em 2009 por ele e um irmão, que morreu dois anos depois. Lázaro ficou na Penitenciária da Papuda (CPP), em Brasília. Ele chegou a fazer cursos de “empatia, sexualidade e para se colocar no lugar das vítimas”.

Condenado por roubo, estupro e porte ilegal de arma de fogo no DF, ele saiu em 2016 no indulto de Páscoa e não voltou mais.

Lázaro chegou a ser detido novamente em 2018, em Águas Lindas de Goiás, mas fugiu do presídio por um buraco no teto da cela, com mais quatro detentos. Ele foi o único do grupo a não ser recapturado.

Desde então, Lázaro é suspeito de assaltar chácaras em cidades goianas do Entorno e no Distrito Federal. Em Cocalzinho de Goiás, ele é investigado por matar um caseiro no fim de maio. Quatro dias depois, foi acusado de matar a família Vidal, em Ceilândia.

Por O Globo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo